Livros espetaculares (mesmo!) para Um Tigre-Lírio é Difícil de Encontrar

Sara Amado

Livros espetaculares (mesmo!) para Um Tigre-Lírio é Difícil de Encontrar

Livros espetaculares (mesmo!) para Um Tigre-Lírio é Difícil de Encontrar

Uma floresta aterrou no palco do LU.CA e, mesmo sentados no nosso lugar, estamos lá dentro com as crianças, como crianças, acampados. E é por isso que, com elas, sentimos medo, queremos ser corajosos, ficamos tristes e rimos logo a seguir, queremos ir dançar com elas e separá-las quando começam à luta.

 

Os Livros Espectaculares que escolhi para acompanharem este Tigre são histórias de medo e de coragem, sobre brincar e fazer teatro. Também trouxe um livro que é um sonho porque, neste espetáculo, assisti, pela primeira vez, ao vivo, ao sonho de outras pessoas e, a isso, eu nunca tinha tido o privilégio de assistir. E um sobre explorar a natureza, porque apetece mesmo ganhar coragem e ir espreitar o que está lá fora.

Um Tigre-Lírio é Difícil de Encontrar porque é preciso coragem e imaginação. Mas não se preocupem: isso é o que mais há no Teatro!

 

Na floresta das máscaras

Teatro é brincar. Teatro é uma brincadeira tão boa que até os adultos gostam.
Quando brincamos podemos ser quem quisermos. Até podemos ser coisas que não existem ou coisas assustadoras. Quando entramos numa floresta ou num bosque, encontrarmos outros seres por lá. E é quase impossível não sentir a magia disso e… algum medo. Passado pouco tempo, o nosso corpo habitua-se aos cheiros, aos sons, à sombra e à luz, sentimo-nos parte da natureza, como se fôssemos uma folha, um animal ou até um duende — quer ele exista quer não! Queres experimentar pôr uma máscara?

 

Sombra

Às vezes temos medo: do escuro, de cães, de ir ao dentista ou do desconhecido, o que não é coisa pouca. Mas, quando conseguimos arranjar coragem para enfrentar o que nos assusta, normalmente percebemos que não vale a pena ter medo, porque o escuro é só não haver luz, os cães ladram porque não sabem falar e o dentista até nos safou daquela dor de dentes. Já o desconhecido… pode trazer-nos magnificas surpresas!

 

Um ano inteiro

Vivemos numa cidade que, às vezes, se parece com um animal assustador, com muitas coisas estranhas escondidas na sua juba emaranhada. A natureza torna-se tímida ao pé da cidade, por isso dá trabalho conhecê-la. Mas há mesmo muita coisa que vale a pena descobrir. A floresta que está em palco faz apetecer ir acampar, ouvir os pássaros ou ir jogar às escondidas entre as árvores. Não é só nas férias que é bom ir lá para fora. Temos um ano inteiro para descobrir o mundo. Esta semana, o que vamos fazer?

 

O cavaleiro coragem

Sem medo não há coragem, já pensaste nisso? Só é corajoso quem primeiro tem medo. Este cavaleiro perdeu a coragem, dizem. Binete, a menina desta peça, encontrou-a porque a procurou. Ela foi corajosa porque era, de entre todos, a que tinha mais medo. A coragem encontra-se, mas só se a procurarmos. O cavaleiro deste livro precisa da tua ajuda para voltar a encontrá-la. Mas não te preocupes: neste livro, não há nenhum tigre-lírio assustador, só um terrível dragão verde… E não há aqui charadas. Bem, talvez algumas… Vamos, sê corajoso, passa a página!

 

Sonho

Abrir as páginas deste livro é como afastar a folhagens das árvores numa floresta. E são também as cores destas folhas que encontramos em cima do palco, nos figurinos dos atores, nas luzes e no cenário. A certa altura, nesta peça, as crianças adormecem e sonham. E podemos ver isso ali, à nossa frente: é mesmo magia poder assistir ao vivo aos sonhos dos outros.

O homem desta história, estará ele a sonhar? E o que vemos, estará dentro do sonho dele?

 

Escondidas

Nesta peça, como neste livro, há um jogo de escondidas. Jogar às escondidas não é fácil. Porque não é nada fácil estar sozinho. Nem a procurar, nem escondido. Mas porque é que todos gostamos de jogar a este jogo que já os nossos avós jogavam e se joga por todo o mundo? É que, ter um bocadinho de medo, não faz mal a ninguém. Talvez até faça bem! Porque, neste jogo, aprendemos a perder-nos para os outros, a estar sozinhos. Com a certeza de que, depois, nos encontraremos todos. E, no final, ainda poderemos vir a salvar todos!

 

O que está lá fora

Este livro é como um pesadelo. Nesta história um pouco estranha, Ida teve de ser muito corajosa e lidar com seres assustadores para salvar a irmã. Ali no palco, Binete teve
de passar pelo mesmo para salvar o Augusto. Como o teatro é mágico, as personagens podem voltar atrás no tempo para que tudo fique bem. Mas, além da magia, é preciso
coragem para enfrentar o medo e o desconhecido e tudo o que está lá fora. Depois, logo se vê.

 

Fotografia: LU.CA/Alípio Padilha