Saltar para o conteúdo principal Mapa do Site Ajuda de navegação e acessibilidade web
Oficina Cinema

Ver para não esquecer

IndieJunior - IndieLisboa
24 a 28 de abril
Bilhetes
Fotografia com maquina fotografia, cabo de telefone, lápis e fotografia antiga.

Informações técnicas

Escolas 24, 26 ABR (qua, sex): 10H30, 14H30 (cinema + oficina)
Famílias 27 e 28 abr (sáb, dom): 16h30 (cinema e oficina continua)
duração 90 minutos
Classificação etária M/6
Preços €3 preço único

Sinopse

Há imagens que devem ser sempre lembradas.

Quando passam 45 anos da Revolução do 25 de Abril, é preciso recordar o que então se viveu e celebrar a Liberdade. Neste programa, que inclui oficinas e sessões de cinema, somos convidados a ver, pensar e criar sobre o que significa ser livre nos dias de hoje.

 

Na sessão de dia 27 de abril a sessão será apresentada por Nuno Sena e no dia 28 de Abril por Irina Raimundo.

 

Sessões de Cinema

O Cravo da Liberdade
Crianças de 11 a 13 anos da Escola das Taipas sob orientação de Abi Feijó, Pedro Serrazina, Regina Pessoa, Portugal, 1996, 4’, animação
Sinopse:
Filme de animação evocativo do 25 de Abril, realizado pelos alunos da Escola EB 2.3 de Caldas das Taipas.

 

Amanhã
Solveig Norlund, Portugal, 2000, 12’, ficção
Sinopse:
Nuno, um rapaz de 9 anos, foge da sua casa na noite de 24 de abril de 1974. Esconde-se num edifício abandonado. As pessoas haviam corrido pelas escadas e partido. As ruas estão repletas de gente, tanques e soldados. É o 25 de Abril. Terá sido a sua mãe a provocar uma revolução só para o encontrar?

 

O Clube das Crianças Feias
Jonathan Elbers, Holanda, 2012, 28’, ficção
Sinopse:
O Clube das Crianças Feias conta a história do presidente Isimo, que decide capturar todas as crianças feias. Paul, de 11 anos de idade, é um menino inseguro com orelhas grandes.

 

Programação: Irina Raimundo, Mafalda Melo, Miguel Valverde e Nuno Sena.

 

Imagens Livres

O que é ser livre? Onde sentimos mais a nossa liberdade? Como é que a sonhamos? A liberdade é algo muito precioso que transportamos em nós no dia-a-dia, nos nossos passos, nas nossas escolhas e com os que estão à nossa volta. Estas duas artistas- realizadoras vão fazer uma atividade de criação de imagens em movimento, inspiradas pelos diferentes conceitos de liberdade. A oficina parte da leitura de um excerto do conto O Tesouro de Manuel António Pina e inclui ainda a mostra de um dos filmes do programa de cinema: Amanhã de Solveig Norlund.

 

No fim de semana, em paralelo às sessões de cinema, realiza-se uma oficina de criação de imagens em movimento, inspirada pelos diferentes conceitos de liberdade.

Coordenação das oficinas:

Cláudia Alves (Lisboa, 1980) é artista visual e realizadora independente. Formou-se em realização de documentários na Escola Internacional de Cinema de San António de Los Baños (Cuba). Anteriormente licenciou-se em artes plástica-pintura na Faculdade de Belas Artes de Lisboa e estudou na Academia de Belas Artes de
Brera, em Milão. Cláudia trabalhou como realizadora e fotógrafa em várias curtas e
média-metragens em Portugal, no Brasil e em Cuba.

Interessada desde sempre pelo livro e imaginário infantis, Maria Remédio nasceu em Lisboa, onde estudou primeiro Pintura e Audiovisuais na Faculdade de Belas Artes e depois o Livro Infantil na Universidade Católica.
Trabalha como freelancer nas áreas de ilustração, vídeo e educação. Observa o mundo através da sua câmara de filmar, tendo já realizado documentários, vídeos de espetáculos para a infância e outros projetos de imagem em movimento.