Saltar para o conteúdo principal Mapa do Site Ajuda de navegação e acessibilidade web
Cinema

O Mundo que Queremos

Comissariado por Sandra C Ramos / Licenciatura de Animação Digital da Universidade Lusófona
6 e 7 de novembro 2021
Empty Spaces

Informações técnicas

Famílias 6 e 7 novembro: 16h30
Classificação etária A classificar pela CCE
Público alvo A partir dos 10 anos
Duração 40 min (aproximadamente)
Preço 3€ (preço único)

Um olhar, através do cinema, sobre o desafio da sustentabilidade.

A sustentabilidade é o tema vasto que une todos os filmes seleccionados para este programa. Nas suas vertentes ecológica e humana, de perspectivas mais harmoniosas a outras, bastante preocupantes. Que futuro estamos a construir? Que mundo estamos a moldar? Pensamos os nossos atos com a responsabilidade que os tempos exigem?

 

Sea Shepperd (2019) de Débora Mendes e Mariana Soares, Portugal, 4′ 37” (sem diálogo)

Uma rapariga serve peixe num restaurante até que este se esgote.

 

Alda (2013) de Filipe Fonseca, Ana Cardoso, Liliana Sobreiro e Luis Catalo, Portugal, 11’42” (sem diálogo)

Alda é uma mulher idosa e solitária, que teve uma história de vida complicada. Perante esta mudança que lhe é imposta, e sem possível fuga, vê-se agredida a si e ao mundo que conhece, não tendo outra alternativa que não seja regressar ao lugar que sempre conheceu, a sua casa.

 

Água Mole (2017) de Laura Gonçalves e Xá, Bando à Parte Portugal, 9’15” (falado em português)

Os últimos habitantes de uma aldeia não se deixam submergir no esquecimento. Num mundo onde a ideia de progresso parece estar acima de tudo, esta casa flutua.

 

Lugares Vazios (2020) de Geoffroy de Crécy, França, 8′ 30” (sem diálogo)

Já imaginaste como seria se desaparecessem todos os vestígios humanos? “Lugares Vazios”, de Geoffroy de Crécy, deslumbra-nos com uma ode aos espaços por onde passamos no dia-a-dia, e à “melancolia das máquinas”.

 

Hras! de Blagoy Rostov, Bulgária, 4’23” (sem diálogo)

Num mundo de papel, alguém começa a criar conforto para si próprio, mas pouco a pouco vai ficando obcecado por fazer novos objetos, acabando por fim por destruir o mundo à sua volta.

 

Na temporada 2021/2022, desafiamos o curso de Animação Digital da Universidade Lusófona a criar uma programação de curtas e longas-metragens de animação para as crianças e para os jovens, com a articulação da professora Sandra Ramos.